Lars Von Trier e seu Anticristo





Aqui vai uma descrição, em primeira mão, via New York Magazine, da cena que ultrajou Cannes, tornando o diretor Lars Von Trier, e seu recente filme, o terror "Anticristo", o judas da vez. Cá entre nós, era tudo o que ele queria.

Para quem não quiser guardar supresa, basta NÃO LER O PARÁGRAFO ABAIXO.


Depois deixando o marido inconsciente com uma porrada na cabeça, a personagem de Charlote Gainsbourg faz um buraco na perna de Willim Dafoe com uma broca e aparafusa sua mão no buraco para evitá-lo de fugir da cabana onde estão isolados. Então, ela rapidamente corta seus testículos com um cortador de charutos. Em seguida, masturba seu marido até ele ejacular sangue num plano fechado. Mais tarde, num closup geriátrico, o fotógrafo Antony Mantel, vencedor do Oscar por Quem Quer Ser um Milionário, registra Charlote Gainsbourg recortar lentamente o seu clitóris com uma tesoura.

Comentário: Em detrimento de Von Trier, na cena não há nada que já não se tenha mostrado no cinema anteriormente. A favor dele, a força da imagem do homem ejaculando sangue por causa da tortura que uma mulher está infringindo a ele. Anticristo quer propor que a natureza da Natureza, com suas árvores e passarinhos, é maligna. Em tempos politicamente corretos, sugere também que a natureza da mulher é maligna. Por mais que eu não concorde, é bom que alguém nos proponha algo além do óbvio, vez em quando.


Assista ao trailer:

1 comentários:

Daniel Poeira disse...

Esse é o David Lynch da Suécia. E isso não foi um elogio.